<$BlogRSDUrl$>

sexta-feira, novembro 28, 2003

Post de Escuta da Semana 

01 - Depeche Mode - Songs of Faith and Devotion (1993)
02 - Swans - tudo
03 - Primal Scream - Evil Heat (2002)
04 - The Smiths - Singles (1995)
05 - Mão Morta - Primavera de Destroços (2001)
06 - The Rapture- Out of the Races and onto the Tracks EP (2001)
07 - Kelis - algumas faixas de Kaleidoscope (1999) e Wanderland (2001)
08 - David Gahan - Paper Monsters (2003)
09 - Black Rebel Motorcycle Club - Take Them on, on Your Own (2003)
10 - Badly Drawn Boy - Have You Fed the Fish? (2002)

A Obcecada II - Cuidado com eles 

A Obcecada e os seus lá cederam ao poder do eixo Franco-Alemão.
Se há algum tempo concordei com a posição destes dois paí­ses em relação à  posição assumida contra a invasão americana no Iraque, hoje começo a achar um excessivo autoritarismo no seu comportamento e na forma como olham os restantes países europeus. Fazem, desfazem e impõem regras conforme lhes é mais conveniente. Coincidência, ou não, faz lembrar a soberba assumida pelos EUA em relação ao resto dos paí­ses mundiais. Cuidado com eles.

quinta-feira, novembro 27, 2003

Em paz 

Cara Berna, a minha canção do Peter Murphy é:

"Hit Song" - Sempre tranquilo

Post de Escuta 

01º - The Beach Boys - Pet Sounds (1966)
02º - The Rapture - Echoes (2003)
03º - Bonnie "Prince" Billy - I See a Darkness (1999)
04º - Nick Drake - Pink Moon (1972)
05º - Mogwai - Young Team (1997)
06º - I Am Kloot - I Am Kloot (2003)
07º - The Black Heart Procession - Amore del Tropico (2002)
08º - Nick Cave - Kicking Against the Pricks (1986)
09º - Broken Social Scene - You Forgot It in People (2003)
10º - UNKLE - Never, Never, Land (2003)

Deprimente e Pesarosa 

Que canção do Peter Murphy és tu?


Eu sou "Marlene Dietrich's Favorite Poem" - Deprimente e Pesarosa

quarta-feira, novembro 26, 2003

A Obcecada I - Eu cumpro 

A Obcecada tinha que cumprir com rigor o défice. Porquê? Por causa do Pacto de Estabilidade. Muitos a criticaram, incluindo eu, se bem que sou da opinião que era necessário algum rigor, num país em que rigor é palavra fusca. Com receio das sanções internacionais, caso não fosse cumprido o défice, cortou-se ao máximo na despesa pública, deixando muitos portugueses no desemprego, e a economia nacional em recessão. Agora, duas das maiores potências económicas europeias, incluindo a mais forte (Alemanha), que curiosamente tinha sido um dos dinamizadores do famigerado Pacto, decidiram que não lhes apetece cumprir com o Pacto, excedendo os limites impostos pelo mesmo, para, segundo os próprios, não correrem o perigo de deixar a sua economia em recessão. E agora senhora Obcecada, não vai exigir o mesmo rigor à Comissão Europeia, ou estará vossa excelência convencida que irá ser compensada de alguma forma por ter cumprido o que era exigido, alheando-se dos perigos que daí poderiam advir?



Sonhei com... 

Duas frases me assaltaram ao acordar, martelando-me o cérebro e a paciência durante todo esse dia. Sonhei com elas, foram o pano de fundo de um qualquer sonho de que já não me lembro. Elas ficaram. Por entre o delírio onírico, estranhamente sei que falavam de mim. Que hei-de pensar de mim?

«A sua morte era uma espécie de fim de século. Com ela morria a História.»


sábado, novembro 22, 2003

Eu Sei! 

- Para onde vai o Kurika quando morrer, perguntou-me certo dia a minha filha, depois de um dos ataques do cão.
- Para onde vamos todos nós.
- Mas para onde?
- Talvez o Kurika saiba, eu não.

M. Alegre
Cão Como Nós

sexta-feira, novembro 21, 2003

Fungo-Gágá da Bicharada - A Ratasana Afetáda 

Herrar é umano. Mas as ratasanas tambaim herram. E nunca é tárde para aprender. Infelismente, para a ratasana afetáda já é tárde demaix. Teria de cumeçar do príncipio, teria de aprender a ouvir, teria de se intereçar. E ela não se intereça, e detésta eim expessial eças coisas de ler e echrever. Á coizas beim melhores, como dar bons consselhos, poder ajudár queim pressiza, conhesser os probelemas dos outros. Logo se apronta a falar para avivar o ãmbiente e os pequenus e grandes òdios. À que ser frontál e direta quando é precizo! Tem sempre nossão das concequênsias. Prinçipalmente para ela. Apezar de deslaixada com cuáse tudo, é muinto cuidadóza com as aparênssias. No ármasem onde vive, o único mundo que conhesse, a um cãnto fez o seu ninho, e goxta de penssar que é um lugar onde tudo acontece cômo deve de ser. É aí que profére as máix sábias sentenssas. É dixtraída, mas sabe bem aquilo que vále, e goxta muito de si própria. Por iço lhe cuxta tanto admitir que ás veses herra, que é uma cabessinha de vento, e até um bocado burra.

quinta-feira, novembro 20, 2003

Sonhei que... 

Sonhei que costumava sonhar com guisado de cabrito.


quarta-feira, novembro 19, 2003

Verdadeiramente irritante 

Certamente que quem navega na Internet deve sofrer do mesmo mal que me vou queixar: Pop Up's (exacto, aquelas estúpidas janelas que se estão sempre a abrir e atrasar a normal navegação na rede). Será legal este tipo de publicidade, que nos força a ver algo que não nos interessa minimamente, e que se dependesse de nós nunca a veríamos? Ora se, pela ordem natural das coisas, só vemos aquilo que queremos ver, irrita-me solenemente estar constantemente a ser bombardeado com ela. São tipas nuas que dançam no nosso desktop, são entradas para sites porno, é a merda do casino, é uma infindável quantidade de janelas indiscretas a pedir ao mais distraído que caia na esparrela. E se por acaso temos o azar de carregar numa dessas janelas, é desencadeada uma bola de neve que abre desenfreadamente uma nova série de janelas, até que por fim tenhamos o computador com ataques de senilidade. Agora, se isto é publicidade, logo alguém tem que estar a ser publicitado, logo alguém tem que ser responsabilizado por este abuso. Como a Internet ainda não é auto-didácta, capaz de, a partir de uma inteligência artificial, criar este tipo de aplicações, tem que haver um ranhoso qualquer por detrás desta congeminação. E é este ranhoso que gostava, um dia, ver ser vítima de um linchamento com requintes de malvadez.

segunda-feira, novembro 17, 2003

Era uma vez... 

Um grupo de jornalistas que em trabalho foram de viagem para um abominável cenário de guerra. Até aqui tudo normal, não fossem eles portugueses. Pois é, como qualquer bom português, que não se contenta com pouco e que tem que ter tudo do melhor, decidiram alugar, não uns carros quaisquer, mas sim uns veí­culos topo de gama. Ora se à  partida tinham, ou deviam ter, conhecimento do que os esperava, era legí­timo que estivessem mais atentos e que não se comportassem como uns verdadeiros "patinhos". Mas de facto, o que aconteceu foi que se comportaram como tal. Puseram mãos ao volante dos seus topo de gama, e fizeram-se à estrada. Resultado: fizeram uma viagem de 10 minutos, até serem roubados e violentados. ESTAVAM À ESPERA DO QUÊ!!!? Que os habitantes os fossem brindar, à  beira da estrada, com salvas!? De facto eles até foram recebidos com salvas, mas de tiro direito a eles.





Viagem ao Inferno 

Desço
pelo cascalho interno da terra,
onde o esqueleto da vida
se petrifica protestando.

Como um rio ao contrário, de águas povoadas
por alucinações mortais boiando levadas
para a alma da terra,
procuro os úberes do fogo.

(...)

(E descendo
é como se descesse dentro de mim
nas cobardias-detritos das águas,
nos heroísmos-resíduos das fráguas.

E seja por que for
no suor anónimo das mágoas)

(...)

Eis-me no centro do assombro,
onde não há distinção nenhuma
entre ser queimado e ser fogo.

No centro do assombro,
mordido pelas chamas
e a mordê-las.

(Carlos de Oliveira)

sexta-feira, novembro 14, 2003

O Meu É Teu 

O teu é nosso. O nosso é teu.
O nosso é meu. O meu é nosso,
e tudo o mais que aconteceu
é uma amêndoa sem caroço.

(José Carlos Ary dos Santos)


quinta-feira, novembro 13, 2003

Para Ninguém 

Abandonei-me.

Mais do que a ti,
Abandonei-me

mais do que da vida fugi,
Deixei-me.
E não sei aonde estou.




domingo, novembro 09, 2003

Fungo-Gágá da Bicharada - O Galo Tetas 

«Olá minha flor!!», diz o Galo Tetas sempre que cumprimenta uma senhora. Ele gosta de ser amável e cortês com as senhoras. Mas num segundo podem passar de belas a bestas. É sempre perturbante presenciar estas esquizofrénicas variações de humor, e é ainda com algum pejo que assisto às suas pequenas tragicomédias - alheio a tudo e todos, num abrir e fechar de asas cheias de raiva, bica infalivelmente o objecto do incontido furor, e pia tão alto que todos percebem que está "outra vez" a pôr ordem no galinheiro. É prurido, é aversão, é apetite, é doença. É frequente. Mas do que ele mais gosta é da chegada de pintainhos. É comovente vê-lo falar-lhes como se os conhecesse há anos. Chama-lhes «meu irmão», e enquanto quebra o gelo vai-lhes mostrando quem é que manda. Chafurdam e esgravatam à sua frente. Ele já viu muitos assim, e é assim que os prefere: joviais, vigorosos e tenros. Tarde demais percebem em que situações é que ele gosta de mostrar que sabe ser submisso... Precisam de tempo para saber que conhecê-lo é mesmo doloroso.

sábado, novembro 08, 2003

Graça Hill 

A Graça está escura. E não há ninguém. Por todo o lado soam golpeados alarmes. Todas as bocas de incêndio babam água. Aviões passam baixo e rugem, os canos tremem e murmuram. Tenho um cão preto. Caminho e o caminho não me conhece. Nenhum lugar me apetece. Nenhum lugar me pertence. Mas

sinto que não o posso dizer.

Palavras 

as tuas mãos, ou a tua pele, ou os teus lábios.
o teu olhar. o teu olhar lembra-me sempre que

ou os teus cabelos, ou a maneira exacta como
o teu rosto. o teu rosto. ou o teu corpo que
adormece onde o vento não se esqueceu de

ou cada uma das tuas palavras, palavras,
palavras numa lingua de céus impossíveis.

J.L.P.

sexta-feira, novembro 07, 2003

Fungo-Gágá da Bicharada - A Grande-Vaca-Gorda e a Alforreca-Viscosa 

A Grande-Vaca-Gorda sempre viveu sentada. A Grande-Vaca-Gorda sempre viveu rodeada por todas aqueles seres de quem ela nao gosta e a quem nao se coi­be de manifestar todo o seu odio. A Grande-Vaca-Gorda tem umas grandes tetas que se arrastam pelo chao, deixando um rasto de veneno que muitos ja confundiram com leite e, deixando-se levar pela gula, acabaram por ser transformados em nada. A Grande-Vaca-Gorda encontrou um dia uma perfeita aliada para a sua cruzada. A Alforreca-Viscosa colou-se as grandes tetas da Grande-Vaca-Gorda e esta gostou de ser ordenhada novamente apos tantos anos. A Alforreca-Viscosa alimenta-se assim do leite venenoso da Grande-Vaca-Gorda e, ao contrario de toda a outra bicheza, esse leite so a tem feito crescer e engordar. A Alforreca-Viscosa tem um aspecto vistoso e transparente o que a torna ainda mais perigosa. E e ve-la dia apos dia a envenenar tudo o que com ela se cruza, enquanto a Grande-Vaca-Gorda se regozija e se gaba - "Fui eu quem a ensinou!". As vezes penso que estas 'Coisas' vao deixar descendentes contaminados e que tudo isto podera ser uma bola de neve. Pior ainda, as vezes eu dou por mim a falar e a rir-me com elas...

quinta-feira, novembro 06, 2003

Provavelmente, uma das mais belas canções de sempre 

"I See a Darkness" Bonnie "Prince" Billy

Well you're my friend
(It's what you told me)
And can you see
(What's inside of me)
Many times
We've been out drinking
And many times
We've shared our thoughts
But did you ever, ever notice
The kind of thoughts I got
Well you know I have a love
A love for everyone I know
And you know I have a drive
To live I won't let go
But can you see it's opposition
Comes a-rising up sometimes
That it's dreadful and position
Comes blacking in my mind

And that I see a darkness
And that I see a darkness
And that I see a darkness
And that I see a darkness
And did you know how much I love you
Is a hope that somehow you you
Can save me from this darkness

Well I hope that someday, buddy
We have peace in our lives
Together or apart
Alone or with our wives
That we can stop our whoring
And pull the smiles inside
And light it up forever
And never go to sleep
My best unbeaten brother
This isn't all I see

O no I see a darkness
O no I see a darkness
O no I see a darkness
O no I see a darkness
And did you know how much I love you
Is a hope that somehow you you
Can save me from this darkness



quarta-feira, novembro 05, 2003

Estupidez à Americana 

Para quem conhece, os americanos The Postal Service, projecto de Jimmy Tamborello e Ben Gibbard, que este ano editaram o álbum "Give Up", estão a ser obrigados a mudar de nome. Isto, apenas, porque o governo dos Estados Unidos decidiu que tal nome era incompatível com um serviço prestado por eles (U.S. Postal Service).
Então e onde é que se enquadra o lema do "somos o país mais democrático do mundo"? Que não o são, já todos sabemos. Que violam todas as directivas internacionais também. Que das democracias mundiais, a par da Itália, são dos poucos países onde ainda existe censura, também. E que têm como líder, o tipo mais inculto, energúmeno e idiota também.
Se isto pega moda, e se outros países aderem a mais uma brilhante ideia da "nação modelo", desgraçadas de algumas das bandas que marcam, ou marcaram, a diferença no panorama musical. Só por curiosidade: Dead Kennedy's; Bush; Interpol... E já agora, Smog não poderá ser tido como uma ameaça ambiental? E The Church, o que acharam os fiéis mais sensíveis?
Mais uma ESTUPIDEZ À AMERICANA

terça-feira, novembro 04, 2003

Já Falta Pouco...!!! 

O Percevejo está prestes a abrir a sua grande boca e quando isso acontecer...
Comecem a ter MEDO!
(Ou talvez não)

Fungo-gágá da Bicharada - A Cabra Pugilista 

Até há tempos, a Cabra Pugilista, vulgar empregada administrativa, parecia-me um ser dentro dos parâmetros da normalidade, excepção aos sonoros berros que emite quando está vários dias sem ser ordenhada, e ao Bode-Sebento-de-Cascos-de-Couro que habitualmente a acompanha. Não é que para espanto meu, há dias, sem que nada o fizesse prever, pediu os cascos-de-couro ao Bode, e sem se fazer rogada desferiu três coices no pobre coitado Paquete-Preguiça.
Que mal poderá um Paquete-Preguiça ter feito a uma reles ruminante com mania que os cágados comem alpista?

Fungo-gágá da Bicharada - A Hiena Caprichosa 

A Hiena Caprichosa gosta muito de andar de avião. A Hiena Caprichosa gosta de se sentir importante. A Hiena Caprichosa gosta que lhe telefonem da Madeira, dos Açores ou dos Algarves. A Hiena Caprichosa não gosta de greves nem de sindicatos. A Hiena Caprichosa não se importa de trabalhar todos os fins-de-semana. A Hiena Caprichosa gosta muito de rir alto nas alturas mais convenientes. Eu encolho-me e coro de vergonha por um dia ter sorrido para ela.

segunda-feira, novembro 03, 2003

Um Negro e Estreito Espaço 

Espreita-me, esse de quem falo, e de raiva desejo encontrá-lo pateticamente ao virar de uma esquina , num choque improvável mas não completamente impossí­vel. Espreita-me sempre, e de raiva desejo um encontro pateta, desajeitado e já infinitas vezes ensaiado nas minhas noites de furtivas figuras. Viajo com ele, viajo sozinha, analiso, fotografo o nada, sonho, peço. Mais uma vez o desejei, mas continuo envolta no ar escuro da sua ausência.

Para J.B. 

CARÊNCIA

Outrora, quando vertia amargas lágrimas, quando,
diluída na dor, a minha esperança se desfez e
eu me encontrava sozinho sobre o estéril montículo
que encerra em negro e estreito espaço a imagem da
minha vida - só, como jamais alguém esteve,
impelido por um medo indizível - inerme, tão somente
com um único pensamento ainda, o da carência.

(Novalis)






This page is powered by Blogger. Isn't yours?